05/06/2011

Ieper / Ypres


Feriado na Belgica e eh tempo de explorar! Finalmente fui para Ieper/Ypres. E que experiencia! Superou todas as minhas expectativas. O post eh longo, mas vale muito a pena ler ateh o final! : )
Ieper? Que isso? Ieper eh uma cidade na regiao Oeste de Flandres, quase na fronteira com Franca e um dos pontos mais proximos da Inglaterra. Apesar de nao ser uma cidade que incluimos nos nossos roteiros usuais, eh super famosa por sua importancia.  No nos arredores dessa cidade que algumas das mais importantes batalhas da Primeira Guerra Mundial aconteceram.  Sao tantas historias, tanta informacao que eu ainda estou meio numb, ainda nao processei tudo.
Entao vamos! O ideal eh ter um carro, mas tive que improvisar. Fui de trem e reservei com uma empresa local um  war tours. No final do dia, acho que valeu muito mais a pena, pq senao nao teria as explicacoes, os detalhes e as historias. Com certeza minhas impressoes seriam outras. Mais legal ainda ser a primeira brasileira que jah fez a excursao com eles!
Chegando ao centro da cidade, me deparei com a imponente estrututra da Cloth Hall/Prefeitura. O centro de informacoes turisticas e o museu In Flandres Fields tambem estao neste predio.



Como ainda ia demorar um pouco para meu tour comecar, fiquei andando pela cidade. A cidade eh bem charmosa, pequena, com seu aspecto antigo… porem soh o aspecto. A cidade foi completamente destruida durante a Primeira Guerra Mundial. Cerca de 4.8 milhoes de bombas foram jogadas na cidade durante a Guerra. Realmente nao tinha como sobrar nada. O fascinante eh que a cidade quase nao foi reconstruida – algumas pessoas queriam que os escombros fossem deixados, quase como um museu aberto. Porem, depois de muita discussao, a cidade foi reconstruida. O mais bacana eh que ela foi reconstruida como uma copia fiel do que era antes (compare com a foto acima).
 
Proximo `a praca principal, estah o Menin Gate. Esse portao foi construido na decada de 20 em homenagem aos soldados que foram mortos nas trincheiras e que nao tem um tumulo. Sao 54.389! Eh nessa bela construcao que acontece a cerimonia diaria do Last Post `as 20h em ponto! Vou voltar a falar sobre isso no final do post.

As 13h embarquei no war tour oferecido pela Flandres Battlefield Tour. Meu guia, o Jack, eh um eximio conhecedor e pesquisador da regiao o que tornou o passeio fenomenal. Eh tanta informacao que vou tentar resumir em topicos (para maiores detalhes, eh soh me convidar para um boteco que terei o maior prazer em contar as historias com detalhes!). Ah, o tour que escolhei eh o Grand Tour com duracao de 4horas e meia, mais ou menos.
Essex Farm – apesar do nome, nao eh uma fazenda. Mas um dos pontos em que a no man’s land (terra de ninguem – nome dado para o pedaco de terra que divide as duas trincheiras inimigas). Nessa parte visitamos alguns bankers que eram usados como Advanced Dressing Station – areas de triagem onde os soldados feridos eram trazidos para analise e rapida evacuacao. Com certeza eh um lugar para poucos. Um buraco fechado com portas de metal e que soh tinha 5 pequenos buracos como ventilacao. Eh dificil imaginar o horror, o cheiro de putrefacao e sangue no ar.Nosso guia nos informou que jah recebeu varios veteranos em suas excursoes, mas que todos se recusam veementemente a entrar lah! Proximo dos bunkers, um dos cemiterios (esse topico merece um paragrafo especial).




Cemiterios – Os cemiterios estao espalhados pelos arredores da cidade. Sao dezenas. Afinal, soh dos aliados, mais de 300.000 soldados mortos nessas trincheiras. Os cemiterios foram criados em sua maioria durante a Guerra, mas hoje foram todos revitalizados e sao meticulosamente cuidados. Sao um bonito tributo a tantos homens e criancas (alguns soldados tinham 15 anos de idade) que morreram aqui lutando por seu pais. Muitos tumulos sao de soldados desconhecidos. Voce ve tambem algumas lapides coladas nas outras. Passamos por exemplo por uma fila com 8 lapides juntas. O motivo? Esses oito soldados estavam na mesma trincheira que foi atingida por uma bomba. Apesar de saber os nomes dos soldados, foi impossivel separar e identificar que partes pertenciam a qual soldado. Por isso, todos foram enterrados em conjunto.


Ateh hoje sao encontrados corpos e bombas ao redor da cidade. Mais de uma tonelada de bombas e carca’cas sao encontradas todo ano ao redor da cidade. O exercito belga eh responsavel por recolher tudo e destruir de forma segura, jah que algumas dessas bombas e shells ainda estao “vivas”, ou seja, podem explodir. Ossos tambem sao encontrados, mas agora com menos frequencia. Nosso guia deu um exemplo de 2002 onde cinco corpos de soldados australianos foram encontrados. Um grande trabalho de pesquisa para tentar identifica-los comecou. A equipe conseguiu filtrar para 37 nomes! Ai o governo australiano se interessou e procurou a familia dessas 37 pessoas para requisitar DNA. Atraves desse esforco, tres dos soldados foram identificados! Os primeiros a utilizarem pesquisa de DNA.  Pode parecer muito trabalho por nada, mas imagine poder finalmente saber o que aconteceu com seu pai, av^o, bisav^o. 

Voltando aos cemiterios, todos eles possuem uma cruz com uma espada, conhecida como Cruz do Sacrificio e um monumento em respeito a soldados de outras religioes e ateus. 


In Flandres Fields – poema mais famoso sobre a Primeira Guerra mundial escrito pelo tenente canadense John McCrae’s nesse mesmo local e que virou um simbolo desse period.
In Flanders fields the poppies blow
      Between the crosses, row on row,
   That mark our place; and in the sky
   The larks, still bravely singing, fly
Scarce heard amid the guns below.

We are the Dead. Short days ago
We lived, felt dawn, saw sunset glow,
   Loved and were loved, and now we lie,
         In Flanders fields.

Take up our quarrel with the foe:
To you from failing hands we throw
   The torch; be yours to hold it high.
   If ye break faith with us who die
We shall not sleep, though poppies grow
         In Flanders fields.
Gas attack – foi na primeira Guerra que, apesar das convencoes contra, foram utilizadas pela primeira vez bombas de gas. Os primeiros a utilizarem desse artificio foram os alemaes e os resultados, brutais.  Nosso guia explica, no local do ataque, com detalhes  como funcionou. 160 toneladas de chroline gas foram lancados pelos alemaes nesse ataque. A morte com Chroline eh horrorosa: o gas cega, ataca a garganta e transforma o tecido dos pulmoes em liquido – ou seja, os soldados morrem “afogados” no seus proprios “body fluids”. O que mais impressiona eh o texto escrito por um soldado alemao em seu diario de Guerra.
“ Apo’s o gas ter se dissipado, fomos em direcao aos inimigos. O que vimos foi morte. Nada mais vivia! Todos os animais encolhidos no chao, mortos.  Por todo o lugar ratos, coelhos, toupeiras mortos.  O cheiro de gas ainda estava no ar e nos arbustos que ainda ficaram. Quando chegamos `as linhas de defesa dos alidos, elas estavam vazias. Porem, cerca de 1km apos, encontramos corpos de soldados franceses espalhados por todos os lugares. Era inacreditavel.  Vimos que alguns homens morreram com as maos ao redor da garganta, numa tentative de conseguir respirar. Cavalos e vacas estavam nos estabulos… todos mortos. Morte estava em todos os lugares! Ateh os insetos estavam mortos!”
Trincheiras – A ultima parada do nosso tour foi numa trincheira. Essa trincheira estah preservada do mesmo jeito que na Guerra, entao eh possivel andar por onde os soldados ficaram por quarto anos. Ao redor, uma floresta que ainda estampa as marcas da Guerra – varias crateras resultado de bombas, arvores estracalhadas pela artilharia. Fiz um videozinho tentando passer um ponto da experiencia do que eh andar nessas trincheiras.

video


Voltando `a cidade, fazer uma caminhada de um portao ao outro, passando pelas fortificacoes. Bonito passeio ao longo do rio. Chegando novamente ao Menin Gate, resolvi sentar num pub proximo para esperar a cerimonia do Last Post. Enquanto apreciava uma Leffe Bruin os movimento foi aumentando. E para o meu deleite alguns veteranos pediram para sentar na minha mesa. Tudo bem que nao era veteranos da primeira Guerra, mas mesmo assim ouvi-los contar suas historias e converser sobre temas como Pearl Harbor foi fantastico. Os senhores eram de Liverpool e de Kent. Os de Liverpool eram para-quedistas e o senhor de Kent lutou na Irlanda do Norte, nas Fauklands (ou ilhas Malvinas) e na primeira Guerra do Golfo.  Com essa conversa agradavel o tempo voou e logo chegou a hora da cerimonia que encerra o dia.
Last Post Cerimony – desde 1928 a cerimonia acontece no Menin Gate, todos os dias, pontualmente as 08 da noite. A cerimonia eh uma homenagem aos soldados mortos na Guerra lutando pelo Imperio Britanico e pelas Forcas Aliadas. Quatro grandes batalhas aconteceram ao redor de Ypres e mais de 300.000 soldados morreram (Ingleses, Canadenses, Neo Zelandeses, Australianos, Indianos, Pakistans e Sul Africanos). A cerimonia soh nao aconteceu no periodo em que a Alemanha invadiu a cidade na Segunda Guerra Mundial (eles nao conseguiram invadir a cidade durante a Primeira Guerra Mundial).  Algumas familias, escolas, batalhoes visitantes demonstram seu respeito a deixar uma coroa de Poppies no portao. 


A viagem para Ieper foi reveladora, instrutiva e emocionante! Com certeza vale a pena. Por todo seu conteudo, me atrevo a dizer que foi ateh agora o melhor passeio/visitacao que fiz na Belgica ateh hoje. 




5 comentários:

Isabella disse...

Pra ser sincera, não vou ler agora, pq, como vc mesma disse, o post é grande e daqui a pouco tenho q me arrumar. Mas já posso adiantar um comentário:
vc escreveu "Ieper? Que isso?", e foi bom, pq é exatamente o q eu tava pensando logo no título, e com certeza não serei a única! Hehe!

Kessia disse...

Ai, truta! Agora quero ir pra Belgica!! Vou juntar dinheiro e ficar no seu ape, so pra ir pra Ieper!!!

Beijos

Kessia disse...

PS: O video nao está funcionando...

Tatiana disse...

Ings, faço idéia da sua fascinação diante da cidade e do war tour! Vc que sempre curtiu história, agora faz parte dela: fala sério, a primeira brasileira a fazer o tour?? rsrsrsr Beijos imensos amiga!

Isabella disse...

Oi! Desculpa estar invadindo seu blog desse jeito, mas você foi uma das únicas brasileiras que falou de Ypres, pelo menos uma das únicas que o Google achou ;)
Então, eu vou fazer uma viagem para a Bélgica em breve, e queria muito visitar Ypres... Mas infelizmente meu tempo lá é relativamente curto, ainda não sei o que vale e o que não vale a pena fazer ou visitar. Sei que existem várias cidades maravilhosas próximas a Bruxelas (que, aliás, é onde vou me hospedar). Por isso, tenho tentado pesquisar sobre os atrativos de cada cidade, o que me interessa, etc.. Mas não achei muita coisa sobre Ypres. Não consegui achar passagens de trem ainda, não sei se essas só se conseguem por meio de excursão, não sei quais empresas fazem uma excursão até lá... Portanto, se você pudesse me dar algumas dicas eu gostaria muito! =)
De novo, desculpe o abuso!